sábado, 12 de agosto de 2017

MEPAJ - Recados da Semana (07 a 13/09)

 Bom dia pessoal!

Hoje tem a Pré-Feira da Solidariedade!
Iremos trabalhar na barraca dos refrigerantes, será ali no estacionamento em frente do Paz e Amor
Lembrando que os turnos serão estes:

• montagem: 9h - 12h (quem puder chegar antes, a equipe do Paz e Amor estará lá desde as 7h)
• atendimento: 11h - 14h30
• atendimento: 14h30 - 18h (a previsão de término do evento ficou mais para cedo agora, 17h, mas fica uma margem de erro)

 Seguem os preços:

Batata  $5
Caldo   $5
Pastel  $5
Tapioca $8
Refri      $3,5
Água     $2,0
Café      $2,5

Lembrando que a Pré-Feira da Solidariedade tem o propósito de confraternizar e também arrecadar fundos para o Paz e Amor, para poderem colocar a Feira da Solidariedade (que é em setembro) na rua (o gasto com aluguel de palco, equipamentos e outras coisas é de $30 mil) - a Feira fecha a rua do paz e amor só para ela, será dia 17/09, domingo.
O evangelho no lar será dia 19, sábado que vem, na casa da família do Amauri :)
Sexta dia 18 às 20h teremos no PA o Reabastecimento, já coloquem na agenda.


E domingo teremos mocidade normalmente, com o tema Mensageiros - Cap. 37 e 38

Abraços e obrigado! :)

domingo, 22 de janeiro de 2017

Tertúlia do Estudo do livro Os Mensageiros, capítulos 33 e 34



Grupo de estudos da Mocidade Paz e Amor em Jesus (MEPAJ).

Tema: Estudo do livro Os Mensageiros, capítulos 33 e 34
Domingo 08/01/2017

Há quase uma década atrás nos lançamos ao estudo dos livros da série André Luiz, escrita pelo mesmo há mais de 50 anos e caracterizada por uma impressionante riqueza de detalhes sobre tudo o que nos espera após o desencarne. Hoje em dia a série ostenta uma boa popularidade, muito em parte devido ao filme que retrata os acontecimentos do primeiro livro: "Nosso Lar". O longa metragem foi comentado e discutido por variados meios de comunicação e recebeu uma aceitação satisfatória do público, contribuindo imensamente para a popularização da doutrina Espírita e, consequentemente, de sua filosofia essencialmente Cristã.

No último domingo, quando discutíamos os capítulos 33 e 34 do livro "Os Mensageiros", adentramos no mérito da maior contribuição que os livros de toda a série proporcionavam, uma espécie de aprendizado comum que se pode encontrar em todos eles. Foi constatado que esta contribuição principal diz respeito ao estímulo à reflexão sobre as consequências post-mortem de nossas ações enquanto encarnados. Ou seja, André Luiz nos fornece um conhecimento seguro sobre a maneira que cada uma das nossas escolhas refletirá no futuro, quando estivermos despojados do corpo, na erraticidade.

O valor destas informações está no auxílio que elas nos dão para estabelecer, de forma concreta, uma conduta que seja compatível aos princípios que seguimos. No caso dos espíritas, os princípios do cristianismo primitivo. Uma vez que tenhamos um norte estabelecido, o conhecimento sobre os reflexos de cada ação na continuidade da existência nos motiva a nele perseverar com uma incidência menor de erros e uma tomada de consciência mais rápida após inevitáveis desvios de conduta.

No entanto, a vida na terra possui uma dinâmica à parte, que parece ser independente do que existe além dela. Assim sendo, torna-se muito fácil esquecermo-nos da importância de honrar os princípios em que acreditamos, pois todos os dias as necessidades materiais demandam quase toda a nossa energia. Cria-se, então, dentro de nós, um duelo por nossa atenção, travado pela necessidade de resolução das situações imediatas do dia-a-dia e a reflexão sobre o nosso devir para o consequente automelhoramento - o que envolve eliminar os maus hábitos e substituí-los por ações verdadeiramente cristãs, tais como o respeito ao outro como a si mesmo e o amor incondicional por todos.

Este é um duelo difícil, afinal os problemas imediatos nos chamam a atenção constantemente e são perfeitamente cognoscíveis, ou seja, sensíveis aos sentidos; são vistos, ouvidos, sentidos materialmente. Enquanto que, o trabalho pelo progresso moral e espiritual, se nós não nos esforçarmos para tal, nem participa de nossos pensamento cotidianos, além disso, muitas vezes, as sofríveis consequências da ausência de uma conduta moral e ética retas não são sentidas na vida atual, assim como a aplicação desta moral na práxis pode não ter consequências positivas rápidas como quer nossa noção imediatista de recompensas.

Esta batalha interna, se não é vencida pelo prevalecimento total da preocupação exclusiva com as questões de ordem material, dura durante toda a nossa vida. Orgulhoso seria o encarnado que dissesse, em pleno planeta de provas e expiações, que já venceu, definitivamente, esta ou aquela na tendência. Muito frequentemente, quando desvanecemos nossa atenção em relação a determinada vicissitude, a reincidência no erro torna-se demasiado provável. Afinal, se deixamos de pensar no que estamos fazendo e para onde estamos indo, somos fortemente influenciados pelo meio a seguir a conduta ditada pelo senso comum. Desta maneira, nos submetemos à correnteza do pensamento coletivo, pois, para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve.

Devido ao fato de este ter sido o primeiro tema do ano, foi inevitável relacionar está reflexão com o período de transição entre um ano e outro. Concluímos que não é a toa que possuímos a tendência intrínseca de estabelecer ciclos para medir o tempo. Desde os tempos mais primórdios nos utilizamos de fenômenos repetidos para criar unidades de tempo que começa, terminam e recomeçam, sucessivamente. Desta forma, torna-se inevitável que o encerramento de um ciclo nos estimule a pensar de maneira mais aprofundada no rumo que estamos seguindo em nossas vidas. Analisamos, voluntariamente, o que gostaríamos que fosse feito e também o que desejamos deixar de fazer. E o fazemos de uma maneira que seria muito mais difícil caso não tivéssemos uma ferramenta como esta, pois na correria do dia-a-dia, tendemos a entrar num ritmo frenético que nos suscita uma viciação do estado mental, repetindo certo comportamento sem que nos demos conta. Portanto, a transição entre unidades de medição do tempo nos proporciona uma oportunidade valiosa de quebrar com padrões comportamentais, hábitos indesejáveis e longos períodos de inação.

Que nos utilizemos, então, dos períodos de transição como ferramentas para nos possibilitar a mudança que desejamos. Aproveitemo-nos de todos os instrumentos de que dispomos para nos tornarmos quem queremos ser. Neste mês de janeiro, quase todo mundo promete mil alterações de conduta e de estilo de vida, mas todas as promessas são esquecidas no decorrer do ano e são deixadas para trás, mostrando o quão vazias de significado e determinação elas eram. Portanto, este não é um período de traçar objetivos irreais, que estão muito distantes de quem somos hoje, como normalmente fazemos. Não se trata de estabelecermos uma situação ideal e de acharmos que em 365 dias iremos mudar tão radicalmente. O ótimo é inimigo do bom, ou seja, quando miramos muito alto, a frustração é inevitável. Então melhor traçarmos planos que nos permitam ser melhores, mas que não estejam tão distantes do que somos hoje. Se assim fizermos, a probabilidade de sucesso será infinitamente maior. Uma vez realizada uma determinada mudança, podemos traçar outra que seja um tanto mais ousada, afinal estaremos motivados pelo progresso recém-conquistado.

Promessas, para que sejam cumpridas, precisam ser planejadas de maneira estratégica, nos autoconhecendo para saber quais são os nossos limites e, assim, elencando maneiras de colocar os planos em prática. Além disso, para que não se esvaziem de significado, é essencial refletirmos sobre as reais motivações que nos levaram a traçar tais metas. Quando pensamos na motivação,  os permitimos renová-la e ganhamos fôlego para suportar as provações que, certamente, teremos no decurso destes objetivos, e caso entendamos que tal motivação já não cabe mais nos nossos princípios, podemos eleger outra para permanecer na luta pelo alcance da mesma meta, ou até mesmo deixá-la de lado, temporariamente ou definitivamente, para buscarmos novos objetivos.

Doravante, fica a pergunta para reflexão: "O que te motiva a mudar?"

Primeiros recados de 2017! Que os jogos comecem.

Bom dia, amigos da MEPAJ.

Tivemos muitos momentos ótimos em 2016, contando com excelentes visitas assistenciais, Evangelhos no Lar memoráveis, temas inspiradores e eventos inesquecíveis, com toda a certeza.
Mas o ano virou, e 2017 promete momentos tão bons quanto os de 2016, senão melhores. Começando pelo fato de que neste ano teremos uma nova estrutura de temas, uma que nos ajudará a nos aprofundarmos ainda mais nos assuntos tratados. Uma estrutura que nos dará um tempo ainda maior para discutirmos, contribuirmos com nossas opiniões e participarmos cada vez mais de cada um dos temas.

Sem mais delongas, segue agora os recados da primeira semana oficial da Mocidade Espírita do Paz e Amor em Jesus:







sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Recados da Semana: de 21 a 27 de Novembro


Basta clicar dentro do quadro e ir clicando nas setas para o lado que você verá todos os recados!!! ;)

ou acessem o link:
 
 

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Recados da Semana: de 12 a 18 de Setembro

Basta clicar dentro do quadro e ir clicando nas setas para o lado que você verá todos os recados!!! ;)

ou acessem o link:

https://sway.com/RXIuIf4SzIrrdqTZ 

 

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Recados da Semana: de 22 a 28 de Agosto

Basta clicar dentro do quadro e ir clicando nas setas para o lado que você verá todos os recados!!! ;)
ou acessem o link:
https://sway.com/HZmLE62scK2VHODF


sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Recados da Semana: de 15 a 21 de Agosto

Basta clicar dentro do quadro e ir clicando nas setas para o lado que você verá todos os recados!!! ;)
ou acessem o link:
https://sway.com/FiZjuvcGSqxtUsgB